Annie

Autor Thomas Meehan
Coleção Tesouros da Literatura
ISBN 9789897075674
PVP 13.29€ (IVA incluído)
1.ª Edição novembro de 2017
Edição atual 1.ª
Páginas 224
Apresentação capa mole
Dimensões 140x208x15 mm
Idade 12+
Categorias 2.º Ciclo de Ensino Básico 3.º Ciclo de Ensino Básico Plano Nacional de Leitura e Aprendizagens Essenciais Plano Nacional de Leitura e Aprendizagens Essenciais
  • Ler+

Plano Nacional de Leitura
Literatura - dos 9-11 anos - dos 12-14 anos

Annie, a pequena órfã de enorme coração, tem a capacidade incrível de superar os problemas e de ver sempre o lado positivo das coisas. 

Esta é a história de Annie, uma menina adorável, que foi abandonada num orfanato de Nova Iorque quando tinha somente alguns dias de vida. 

Ao longo de 11 anos, Annie aguardou, cheia de esperança e otimismo, pelo regresso dos pais. Até que um dia, cansada dos maus-tratos e da exploração da maléfica diretora Hannigan, decide fugir e perseguir o seu sonho: encontrar os pais.

Sozinha numa Nova Iorque bastante afetada pela Grande Depressão, em 1933, a corajosa Annie vai deparar-se com situações extraordinárias, como o encontro com Sandy, o cachorro que se torna o seu melhor amigo, ou a súbita amizade com o milionário Oliver Warbucks, que vai mudar o rumo da sua vida.

Thomas Meehan

Thomas Meehan nasceu em Nova Iorque, em 1929. O seu primeiro trabalho a sério surgiu aos 24 anos, no jornal literário The New Yorker. 

Em 1972, Thomas Meehan foi convidado para trabalhar na adaptação musical da banda desenhada Little Orphan Annie. Em conjunto com Charles Strouse, que ficou encarregado da música, escreveu o libreto de Annie. Esta produção levou cinco anos até chegar à Broadway. Assim que entrou em cena, conquistou um enorme sucesso, valendo-lhe o seu primeiro Tony Award. 

A partir de então, Thomas Meehan tornou-se um distinto humorista. Escreveu comédias para a televisão, área que o premiou com um Emmy, e colaborou com diversos artistas, nomeadamente Mel Brooks. A mais notável adaptação feita por esta dupla para a Broadway foi Os Produtores, que viria a dominar os Tony Awards de 2001.